Mass Effect 3: spoilers e comentários

EDIT: 10/03/2012, 07h10. Terminei. ENORMES SPOILERS DEPOIS DO READ MORE.

Pretendo postar aqui algumas observações aleatórias minhas do Mass Effect 3 conforme vou jogando (e com SPOILERS!). Eu sou do tipo que gosta de ficar perdendo tempo procurando easter eggs e importunando os NPCs para descobrir novos diálogos, ha ha. Isso, somado ao fato de que tenho um tempo muito reduzido para jogar torna praticamente impossível que eu termine ele nos próximos dias, a não ser que haja algo de muito errado com esse jogo e não estou sabendo. De qualquer forma, sem Internet para mim para evitar spoilers!

Não vou criar outros posts desse tipo. Todos os meus tópicos e impressões iniciais virão aqui, então atualizarei com novas partes conforme vou jogando. As imagens intercaladas são memes ou tirações de sarro para aliviar o conteúdo, não levem a sério.

Impressões gerais: Não dá pra negar que eles ouviram o feedback dos fãs. Se no ME2 já era fácil de perceber isso, em ME3 é ainda mais evidente. Mass Effect é conhecido como aquele game com muito falatório, e agora temos ainda mais diálogos e interações não apenas com seus squadmates, mas entre eles também (adorei isso); a volta da customização do ME1, só que agora de uma forma sã; combates e ambientes muito mais variados e divertidos. O meu porém é que, apesar de na teoria você conseguir jogá-lo sozinho, ele não tem o menor sentido se você não jogou os dois primeiros — não apenas em termos de toda a história e os personagens, mas das decisões que você toma nos games anteriores e são incorporadas quando você importa o seu save. Como este é o final da trilogia da(o) Comandante Shepard, as decisões dos games anteriores agora ganham consequências e repercussões maiores. FUCKING BIOWARE.

TL;DR. Para mim:
ME1: 9/10
ME2: 9/10
ME3: 7/10

critical mission failure

REPETINDO. Grandes blocos de texto com comentários aleatórios e ALTOS SPOILERS a seguir!

Primeira Parte

— É a primeira vez que fico tão animada assim para um jogo, a ponto de pedir pré-venda especial. Eu em geral não ligo muito para spoilers, mas dessa vez fiquei até surpresa com minha força de vontade ao evitar todos os spoilers. Não funcionou 100% porque sempre tem uns idiotas que gostam de estragar a vida dos outros, mas em geral, consegui começar a jogar sem ter muita noção do que ia acontecer, além das informações mais gerais divulgadas. E assim é muito melhor! :) Para se ter uma noção, não assisti nem o trailer oficial e estou evitando o Youtube e tratando o r/masseffect com extremo cuidado (apenas salvando os tópicos no Reader pra ler depois). Não ler os vazamentos da história foi uma boa escolha, já que tive muitos momentos de fangirlismo por algumas surpresinhas.

fuck. this. guy.

RAAAGE.

— Tô meio capengando porque fiquei tempo demais jogando direto o que é simplesmente absurdo para mim! O sono pesa… mas a vida, o trabalho e estudo continuam então aqui estou. Algumas coisas escritas portanto podem não fazer muito sentido…

— Minha Shepard importada ficou meio estranha como a de todo mundo, mas estou me acostumando aos poucos com ela. Na próxima playthrough ela com certeza vai precisar de uns ajustes mais agressivos. Outro detalhe é que eu, a inteligência rara, decidi recomeçar o ME1 semana passada para ter uma nova FemShep para importar, só que óbvio que não consegui chegar nem na metade do ME2 ainda. Com o ME3 nas mãos essa vai ter que ficar pra depois, hehe. Ah sim, minha classe é Infiltrator, minha preferida no momento (sniper rifle Widow = WIN).

— Meu estilo é um misto de Paragon com Renegade, mais voltada para o lado azul da força, mas não consigo resistir algumas respostas Renegade, que em geral ou são hilárias de ridículas, ou completamente cruéis e insensíveis (eu rio mesmo assim). Algumas respostas Paragon também são muito pouco práticas e angelicais demais. 8D Pelo menos agora com o sistema de Reputação, não temos mais que nos preocupar em seguir um lado ou outro, o que é bem mais divertido. Romanceei o Garrus porque o romance entre ele e a FemShep é o mais hilário do jogo e é legal que de novo ele tem um interrupt Paragon, haha. Fiquei rindo à toa com os comentários awkward, meio sem jeito mas adoráveis do Garrus em geral.

— Achei que o molequinho foi um pouco too much, mas enfim, efetivo.

— A Liara também anda meio too much, pensando bem.

— Eu não acho os companheiros do ME1 tão geniais assim, e por isso, sinto muito mais falta dos 2938429 personagens do ME2! Fiquei meio chateada com o fato de que a maioria só vai ter cameos… mas ainda assim, gostei de rever a Kasumi e a Jack. A Miranda poderia ter comprado uma roupa nova se ela estava em fuga. LOL.

— Passei 100% do tempo em que o Council aparecia xingando muito fortemente os caras. Pelo menos deu pra replicar pro councilor da raça Turian não-lembro-o-nome (Bioware jogando um osso pra gente né), mas não poder fazer as aspas com os dedos foi lastimável!

— Só eu que achei que a Chakwas ficou meio estranha? Humanos em geral sempre são meio esquisitos nesses jogos… o update que eles fizeram nesse estilo de cabelo fica ‘voando’ muito, é meio estranho. Mas a textura é um milhão de vezes melhor. Bom, pelo menos agora ela tem mais o que falar!

achei essa screenshot!

Achei essa screenshot do momento abaixo…

— Eu já sabia da EDI como squadmate porque me spoilearam as páginas do artbook, mas até curti ela como combatente. A cara de total horror que a/o Shepard fez com a piadinha dela foi o máximo, eu ri, haha. Infelizmente nem pensei em tirar screenshots na hora. Só acho que eles podiam ter maneirado no sex appeal dela, é meio bobo.

— No demo não ficou tão aparente, mas realmente a nova voz do Mordin me distraiu. É uma pena que não tenham pego o mesmo cara para dublá-lo, pois ele era um dos meus personagens preferidos da série.

— Estou meio perdidinha com relação às missões, sidequests, mapa etc. mas acho que eu também era assim quando joguei ME1/ME2 pela primeira vez então whatever. Só fico meio preocupada em fazer missões principais porque não sei se aqui vai ter aquelas missões que desabilitam ou castigam outras se você ainda não fez, tipo em Dragon Age II, ou mesmo no ME2 (limites de tempo pra fazer a missão ou sidequest). / EDIT. Ok, acabei de abrir um tópico no r/masseffect que por coincidência falava exatamente disso e parece que tem isso sim! FFFUUU, se toda a galáxia explodir e eu matar todas as espécies do universo só porque eu completei uma missão antes da outra eu vou ficar “meio” puta, huhahua.

— Falando nas missões principais, estou meio ‘boiando’ com relação a what’s going on, porque tem um quê de mapa do tesouro na progressão das coisas. Enfim. Não sei se estou jogando ‘errado’ mas tá indo rápido! Eu gosto da ideia de Shepard trabalhar por trás dos panos unindo as pessoas em vez de só tentar enfrentar os reapers com socos e melees especiais (que estão muito fodas, indeed!)

— E falando em ir rápido, nossa, quando você começa o ME3 há pouco tempo para explorar e fazer o que você quiser, você vai de missão em missão sem nem poder escolher seus companheiros. Frenético e com muitas coisinhas diferentes. Fiquei meio receosa com isso, pois não é uma direção que me interessa muito. Pelo menos agora já não está mais assim.

— As missões até agora são bem mais legais e variadas, ou seja, tudo ficou mais divertido, na verdade! Ou talvez o fato de eu te acabado de terminar ME1 e suas sidequests de salas iguais estejam interferindo, hehe. Estou jogando no Normal porque quero agora prestar mais atenção na história/diálogos, e realmente, eles não estavam brincando quando disseram que aumentaram a dificuldade! Normal é o novo Veteran, certo? Eu jogo normalmente nessa dificuldade, e yep, deu pra perceber.

— Pela tela de seleção consigo prever (tomara que eu esteja enganada) que há pouquíssimos companheiros pra selecionar! Ainda não recrutei a Tali (lógico que ela vai voltar né?) e estou supondo que a Ash vai voltar, então é só isso?? Fui spoileada quanto ao personagem do DLC (como peguei a versão Deluxe, ganhei muitos cacarecos extras, incluindo este DLC), então ainda tem ele, mas espero que tenha mais gente permanente!

— “Lola”, sério? Ai James, pff hahaha. Vi que eles fizeram algo a la Thane para que nossa(o) protagonista tivesse outro título além de Comandante ou Shepard. Ok, é até bonitinho, mas acho que seria ainda melhor se ele chamasse o Shepard versão masculina de Lola também, hahaha. Qual é o apelido que ele dá pro ManShep?

— Diana Allers. Meh. Tanto ódio dos fãs para nada. Pra mim não fede nem cheira.

trollface

Sheploo tem o melhor trollface ever.

— Falando em jornalistas! A repórter Khalisah al-Jilani (tá, tive que googlear) retorna triunfalmente! Eu não tinha intenção de socá-la pela terceira vez, mas tive que fazer só pra ver como era. Minha cara de surpresa quando a maldita finalmente aprendeu a esquivar! Pena para ela que você é a/o Comandante Shepard. Meio mórbido o jeito como ela só fica caída no chão, wtf?!

— O agasalho N7 pra usar como roupa casual é uma graça, no meu jogo, Shepard só usará ele (pelo menos é melhor que aquela opção de velho figurino de fazendeiro hobo-chic).

— Joker/EDI: Por favor, NÃO.

— O lampshade do Hammerhead e sua alta destrutibilidade foi bacaninha! Aliás, nem fui muito longe no jogo e já vi muitas coisinhas divertidas para os fãs, como as inúmeras referências (basicamente, outros personagens tirando o sarro) do ~Calibrations~ do Garrus. LOL.

— Achei a nova iteração da Citadel meio “meh”. O ambiente é grande e diverso, mas ainda não clicou para mim, por algum motivo. Bom, pelo menos é melhor que em ME2.

— O filme Blasto 6, agora com um sidekick da raça elcor. MELHOR IDEIA EVER.

— Falando nisso, é melhor que haja mais da variedade de “água-viva grande e burra!” (também conhecidos como hanar). Gosto dos hanar e dos elcor. Ah, eu gosto de todos os aliens praticamente! Mas essas duas espécies são minhas preferidas. Juro, se o multiplayer incluir mulheres (tirando humanas e asari) e as raças hanar e elcor, eu terei que começar a jogar o mp pra valer! haha

Segunda Parte

:(

:(

— Ah Mordin, boa noite e bons sonhos, meu doce príncipe. D: Tenho a impressão de que é possível salvá-lo se você quiser ser total fdp com os krogan. HAHA. Sério, eles estão tentando fazer a gente chorar né?

— Outro momento que me deixou completamente aflita: aquela cena pós missão da rainha Rachni, em que nosso bebê Grunt fica para trás para conter os bichinhos e os outros escaparem. Ah e isso com a trilha do Clint Mansell por trás. Wah! Achei mesmo que eles iam matá-lo, nunca imaginei que fosse ficar feliz em vê-lo completamente ensanguentado a la Dragon Age haha.

— Eu havia salvo a rainha Rachni no ME1, mas agora decidi deixá-la morrer. Todos os personagens asseguraram Shepard que foi a decisão correta, menos o Javik. Vou ter que salvá-la da próxima vez para ver a repercussão que isso tem posteriormente no jogo.

— “Recrutei” o Prothean. Não li muitos comentários por medo de spoilers, mas tenho a impressão de que algumas pessoas não acharam ele legal. Mas esse é o ponto! Todas as raças atuais do universo de Mass Effect acreditam que os Protheans (raça alienígena extinta a 50.000 anos atrás) haviam criado todas aquelas maravilhas tecnológicas com sua cultura super desenvolvida, e daí descobrimos que eles eram um Império extremamente repressor e escravocata, portanto, não dá pra dizer que eram lá o povo mais simpático da galáxia. A certa arrogância dele foi muito coerente e gostei de ver que eles não eram os anjinhos que todos achavam que eram.

— Achei uma graça o fato dos personagens a bordo agora conversarem entre si via intercom ou sei lá haha, além de dar umas passeadas pela nave. Por exemplo, dos squadmates, o mais móvel que vi até agora foi o Garrus, que já foi até a cabine de piloto bater um papo com o Joker (os dois fazendo piadas um do outro, ha!), ficou na sala-lounge pondo o papo em dia com a Liara e trocou experiências com um dos militares na mesma sala em outra ocasião. De novo, isso mostra como a Bioware se esforça para incorporar críticas válidas dos fãs: um dos poucos problemas apontados em ME2 foi justamente a grande quantidade de personagens interessantes e a falta de interações significativas entre eles. Isso foi plenamente corrigido em ME3.

Terceira Parte

— Percebi só agora que ainda não havia comentado sobre isso, mas sucks to be Thane. Eu romanceei ele uma vez, quero só ver o que acontece… :( Será que vamos rever o Kolyat, filho dele, também?

— Shepard agora tem mais personalidade nos diálogos! Nos outros jogos em geral ela(e) normalmente se mostrava ou através das escolhas Paragon / Renegade / neutra, ou das perguntas, então tinha momentos que virava quase um interrogatório. Gostei muito de ver ela(e) interagindo normalmente com outros personagens. Deve ser influência dos novos escritores, não sei, mas os diálogos soam diferentes mesmo. E há poucos momentos embaraçosos, tipo “I should go” lol.

— Outra coisa, eu senti falta das escolhas neutras! Mas acho que eles sacrificaram isso para terem maiores diálogos, já que na teoria o novo sistema de Reputação já não penaliza quem quer misturar um pouco mais as escolhas.

spaceship lol

Falando nisso, eu precisei de três tentativas até conseguir catar o hamster!

— Meus comentários andam pontuais, então vou fazer minha observação geral até o ponto onde cheguei: estou gostando muito mesmo! Até agora, eles realmente pegaram todos os pontos positivos dos jogos anteriores e aplicaram com grande finesse. Algumas pessoas reclaramaram da história, mas sinceramente, até onde estou não vejo nada de muito errado por enquanto. Apesar de eu gostar imensamente do ME2, vamos ser honestos aqui, a história dele também não é a mais profunda ever. Eu não sou fã da ideia de uma arma Prothean deus ex machina, mas não dá pra ganhar todas. Por outro lado, eu gosto muito do fato da diplomacia e a união de todas as espécies serem o ponto-chave para a vitória contra os Reapers, não apenas jogar bombas e puro pew pew pew.

— Fuuuck. Não posso relaxar com os spoilers, acabei de ver um tópico do livejournal por engano! Colocarei a pasta de games no Reader em quarentena.

— Todos os momentos em que Shepard e sua equipe vão parar em algum buraco e é necessário ativar a lanterna foram muito bons. Tenso! Ai sério, as missões e os combates são tão mais divertidos! Se no ME1 eu jogava praticamente sem cover, e no ME2 fazer isso era quase suicídio (embora eu usasse a Tactical Cloak, que quebra um galhão), agora há um bom balanço de que estratégia tomar. Sério, mesmo eu que não sou muito boa em ‘jogo de tiro’ achei muito legal o combate, não esperava que ia ser ainda melhor que no ME2!

— Os momentos de perseguição dos Reapers no mapa quando eles te encontram me deixaram tensa na primeira vez (run to the hills!). Apesar disso depois senti que por a música do Benny Hill de fundo é muito apropriada também, haha.

— O alimentador de peixes custa 25.000?? Tudo bem, a galáxia está em perigo e precisamos de upgrades para o combate, mas fiquei tentada a comprar pro aquário da cabine pessoal de Shepard, hahaha.

Quarta Parte

— Será que todas as novas partes começarão com uma nova morte? Pelo menos o Thane foi-se em grande estilo. Eu achava que ele ia acabar morrendo da doença. E a última reza dele para Shepard foi de quebrar o coração — não consigo nem imaginar os rios que as pessoas que o romancearam devem ter despejado sobre o teclado. E é, o Kolyat voltou para prestar as últimas homenagens. Ainda bem que fiz os dois se entenderem no ME2, vish. Maldito seja você, Kai Leng! Fique longe do meu cereal!

— Apesar de eu adorar as comunidades de Mass Effect (não o BSN, pelo amor, mas a do LJ e r/masseffect) terei que restringir minhas passagens por lá. Agora que “já” se passaram 3 dias, um monte de gente está colocando spoilers do final do jogo.

— E a Tali voltou. Meh. Eu adoraria é ver ela com o Kal’Reegar. :’)

the quarians

“Shepard e Tali ainda se encontram dentro da nave? LOL Whatevs, *pew pew pew*!”

— Ash voltou também, depois de tanto mimimi. Meh. (fiquei tentada a rejeitá-la, mas não queria ser tão Renegade assim haha)

— LEGION! Ele nem era um dos meus personagens preferidos ever, mas fiquei estupidamente feliz quando os resgatamos. Uma graça, senti falta de ouvir “Shepard-Commander”. Não consigo deixar de defendê-lo diante dos quarians. Um dos meus momentinhos preferidos do ME2 foi quando Shepard o pressionou para descobrir o porquê dele ter usado um pedaço da armadura dela(e) para se consertar, e Legion responde apenas “No data available.” AWW! Eu também estava quase sentindo falta de lutar contra geths, porque não aguento mais as tropas Cerberus, ugggh.

— Não falei sobre a Aria ainda, mas ela me irritou quando tentou me incitar a ser Renegade para conseguir o apoio das três facções, Blue Suns, Eclipe e Bloodpack. Mas ainda assim gosto dela, e consegui ir pelo caminho Paragon então whatevs. Falando nisso, muito bom quando você faz Shepard beber um monte e depois ela(e) acorda no sofá ao lado da Aria, haha!

— Hmm, foi só comigo ou a cena do Garrus e Shepard atirando nas garrafinhas no topo da Citadel estava bugada? (os gráficos se arrastando foi quase engraçado, ainda que não intencionalmente). Meio imperdoável. Eu ri com a referência que ele fez quando Shepard errou o alvo de propósito, o momento em geral foi muito divertido.

— Falando em bugs, aconteceu um comigo que me gelou na hora. Loadei meu jogo ontem e de repente percebi que tudo estava revertido para zero, tipo a distribuição dos pontos das habilidades e até a aparência da minha Femshep virou default! Abri um save mais antigo e tudo voltou ao normal. Ainda bem que sou paranoica e salvo com frequência. Meu jogo já tem patch, pois ele foi incluído com quem realizou o preload via Origin. Bioware FAIL.

— Eu descobri só ontem que havia muito mais áudio do filme Blasto 6. MELDELS. Incrível e o parceiro do Blasto é fantástico, descrevendo tudo como “Badassfuly”.

— Ele pode ter lá os seus momentos mas não sou nem um pouco fã do Joker, para ser sincera. Os olhos dele em ME3 estão meio esquisitos… e tive que falar pra ele ficar longe da EDI. :|

— Os diálogos entre o guardinha Turian no balcão e a adolescente humana são uma graça, um dos meus preferidos até agora, mas coitadinha dela. Ainda não cheguei a ouvir tudo, então ela ainda tem fé que os pais dela estão a caminho…

Quinta Parte

— Este deve ser meu maior post escrito por aqui! Nem comentei muito sobre os novos ‘recrutas’, eles são bacanas, principalmente a Traynor. Ela é uma simpatia só, e bem mais interessante que a Kelly.

— Rever o Zaeed me animou, já que eu, de certa forma, até curto o personagem, e não esperava que ele fosse aparecer naquele momento. Eu gostava de ouvir as histórias de guerra dele (e da Jessie haha) no ME2. Eu achava que ele ia ‘virar’ um vilão e lutar contra Shepard, mas que bom que não foi o caso!

AW YEA.

— Algo que me irrita e que eu ainda não havia comentado é a animação da Femshep correndo. Esperarei alguém lançar um gif disso, é muito ridículo!

— Descobri a utilidade do mapa, agora que já devo estar na metade do jogo. Talvez por causa daqueles “mapas” do ME2, eu acabei descartando estes daqui também, mas agora eles são úteis de verdade, já que eles listam quem está onde, inclusive na Normandy. E pensar que eu ficava rodando todos os andares da Citadel só para achar um mísero NPC ou squadmate, lol.

— Conrad Verner, o mito, a lenda, o cara. O que posso dizer, eu ri! E eles lembraram da Jenna!

— A missão no monastério em Lesuss foi a pior até agora, what the FUCK. A versão husk das asari (Banshees) são as que me inspiraram mais horror e isso não é pouco: lembrar dos Cannibals, versão batarian com um humano fundido no braço (e olha que a esse ponto eles já são praticamente default), ou dos Brutes, fusão entre krogan e turian, ou seja, nightmare fuel total e quase empatados com as Banshees, não fosse o fato de que elas usam biotics e CHARGE e têm um insta-kill. Nããão! A melhor parte é que você começa a missão no escuro com a lanterninha e só consegue ouvir aqueles barulhos e gritos… fffuuu??!

— Pelo menos esta missão teve algo de bom: reencontrar a Samara! Quando ela disse que se juntaria a Shepard, tive uma pequena fé cega de que talvez ela viesse a bordo da Normandy, mas nope, seu apoio se resume a 25 pontos nos War Assets. Ainda bem que existem Paragon interrupts!

Sexta Parte
— 10/03/2012, 07h10: Acabei de literalmente terminar o jogo. WHAT THE FUCK…

— Eu… não sei bem nem o que dizer. Antes de partir para meus comentários sobre o final, alguns tópicos que eu anotei para comentar aqui.

— Legion… :'(

— O Javik é o squadmate sonho de qualquer Renegade Shepard. A participação dele na missão em Thessia é muito relevante.

— No começo eu estava bastante receosa em ter que ficar fugindo dos Reapers no mapa quando buscava os artefatos, mas depois logo me acostumei a brincar de pega-pega com eles. Foi quase divertido!

— Tali ficando bêbada de canudinho foi um momentinho legal.

— Relendo o que escrevi anteriormente, fica claro que eu estava extremamente satisfeita com o jogo, o que é bem verdade. Se meus comentários agora estão mais rancorosos haha, é porque ter vivenciado o final de ME3 certamente temperou minha opinião…

— Eu não entendo como você pega um sistema que funcionava perfeitamente (o Journal) e reverte para o que temos agora, um anotador de quests que além de não ajudar, é extremamente confuso e sempre entra a partir do Codex ou de uma das entradas mais antigas (pelo menos comigo)? E eu já achava o cúmulo eles terem retirado a tecla de atalho J.

— Durante a resistência final em Londres, aconteceu algum bug comigo em que meus squadmates (Garrus e Liara) não me acompanharam do prédio, então tive que literalmente lutar sozinha contra um mol de ondas e ondas de inimigos. O sentimento de desespero e solidão foi efetivo, de certa forma (“Por que vocês me abandonaram justo agoraaa?”). Comemorei demais quando vi que o bug finalmente foi revertido enquanto eu estava capengando para me manter viva.

— Eu não achava que ME3 ia ser pior em termos de bugs do que a média em ME1 e ME2, mas pelo menos comigo aconteceram vários. Há um ‘ponto da morte’ na cabine do Joker (de ficar preso forever), o erro de dar o Resume e começar completamente zerado, inclusive na aparência (isso aconteceu comigo umas três vezes), e o bug do tópico acima que quase me matou do coração. Felizmente eu salvo com frequência, e devo confessar que o ódio que eu tenho do bug do ME2 de você subir e flutuar faz meu sangue ferver a tal ponto que chego a considerar esses que aconteceram em ME3 quase superáveis (com exceção dos squadmates me abandonando com BRUTES pra todo lado, mas que poha)

— Quando o Garrus comentou que gostaria de se aposentar em algum lugar bacana e ter filhos aliens com Shepard e ela respondeu que adotar seria uma ideia melhor, fiquei um tanto comovida. Agora, eu tenho que me perguntar, como seria os dois adotando um bebê krogan? lol.

— O Catalyst ser Citadel faz sentido, e eu fico feliz que eles tenham escolhido usar a lógica de que o Crucible está em desenvolvimento durante incontáveis gerações de aliens de cada novo ciclo, e que cada nova resistência acrescenta algo de novo para esta arma. Se é para ser uma arma deus ex machina, era assim que eu gostaria tudo fosse explicado, o esforço coletivo de inúmeras espécies contra os Reapers ao longo de milhares e milhares de anos.

— Se há uma coisa que posso dizer de ‘positivo’ em relação à sequência final é que ver Shep completamente detonada(o), se arrastando para alcançar os controles de Citadel, enquanto passa pelos squadmates aparentemente mortos pelo Harbinger e mais um monte de gente caída por todos os lados foi terrível (e efetivo)! E toda a caminhada até a sala principal com Anderson e Illusive Man também. Aliás: falando no Illusive Brah, sua dispensa teria muito mais impacto se o Saren já não tivesse se matado no ME1! Meu final foi esse, já que eu acabei sendo mais Paragon do que estava planejando (e pela falta de escolhas neutras! :<)

— Para mim, a maior decepção com relação aos finais foram o fato de todos serem essencialmente iguais em termos de resolução. Shep acaba sozinha(o) ou morta(o), Normandy cai em um planeta tropical, The End. As três escolhas até possuíam o potencial de terem finais interessantes, mas no final deu praticamente na mesma. Eu entendo que depois de tudo o que aconteceu, não havia como ter um final 100% feliz, mas poxa. Nem eu que gosto de finais destruidores consegui gostar das perspectivas completamente sombrias destes finais. Eles deveriam ter sido verdadeiramente diferentes entre si e oferecido novas chances para os personagens restantes, ao menos. Por mim tudo bem Shepard se sacrificar em algumas das possibilidades de finais, mas sei lá.

— Eu não sei quando terei forças para recomeçar este jogo, ou mesmo terminar a playthrough que mencionei anteriormente do ME2 para importar aqui, por mais que eu tenha me divertido enormemente durante a campanha. É quase emocionalmente exaustivo ter que rever todos estes personagens e lugares sabendo como tudo vai acabar no final. :( Fiquei com uma sensação de pesar grande, não apenas pelo ruindade dos finais oferecidos, mas pelo fim desta trilogia e da(o) Shepard também. :(

— Eu não me arrependo de ter jogado, ainda mais porque até os últimos 10 min, tudo ainda estava mais ou menos dentro das minhas expectativas. MAS ESSE MOLEQUINHO. E foi bullshit também os squadmates sobreviventes de ME2 não ganharem nenhuma resolução relevante, além da última mensagem de boa sorte para Shep.

— Meu final não foi o 100% porque devo ter perdido algumas várias sidequests e escolhi a opção do meio (raio verde, Shep se sacrificando para misturar o DNA dos orgânicos e sintéticos em uma estrutura nova acabando definitivamente o conflito entre eles, ou seja, bad trip total), mas comparado com alguns spoilers que eu li por aí depois de ter terminado o jogo… a Tali pode acabar se suicidando?? Mordin poderia ter um final muito pior… e parece que quem tentou um romance com o Jacob levou um belo fora desta vez, ouch.

— Bodycount oficial de personagens que eu gostava: Mordin, Legion, Kal’Reegar (off-screen para piorar), Thane, Anderson. Salvei praticamente todo mundo que importava, mas mesmo assim. D: Levei o Garrus e a Liara comigo na batalha final e acho que os dois estavam caídos, mas depois o Garrus apareceu na Normandy, então nem sei.

— A “revelação” do rosto da Tali foi a coisa mais patética que já vi. Eu nem queria que revelassem o rosto dela. O pior é que fiquei mesmo confusa quando vi o Getty Images creditado no final, então foi para isso. Por favor alguém me diga que eles estão nos trollando…

— A trilha sonora é excelente.

— Talvez eu pense em outras coisas a falar, vou atualizando isso aqui. sigh….

Leave a Comment

Campos obrigatórios estão marcados *.